Barra do Bugres - MT, 21 de janeiro de 2018
 
 
 
Sem mandato, Neurilan deve comandar AMM

Publicado em 11 de novembro de 2016 as 10:31

neurilan-fraga-11-05-15Prefeitos de Mato Grosso criaram um artifício para possíveis enfrentamentos com o governador Pedro Taques (PSDB). Numa assembleia em março de 2015 acrescentaram ao estatuto da Associação Mato-grossense dos Municípios (AMM) o direito de seu presidente, mesmo após concluir sua administração na prefeitura disputar a reeleição na entidade. Essa manobra tinha endereço certo: Neurilan Fraga (PSD), que está em campanha por novo mandato na AMM.

A mudança no estatuto aconteceu num momento de tensa relação da AMM com o governo por conta do atraso no repasse de 50% do Fundo Estadual de Transporte e Habitação (Fethab) por parte do Palácio Paiaguás aos municípios, situação que ocorreu no começo daquele ano. Longe da mídia prefeitos criticavam o governo, mas não se expunham temendo retaliação. A saída encontrada foi criar o mecanismo que permite a eleição de ex-prefeito para presidir a entidade.

Neurilan coordenou a manobra para a mudança e, agora, ao término de seu segundo mandato de prefeito de Nortelândia, se lança mais uma vez na disputa pela direção da AMM. Segundo ele, a presidência exige dedicação integral, o que nem sempre é possível quando se tem que dividir o tempo entre o município e a entidade, e “evita que o município do presidente sofra represálias em razão das cobranças da AMM”, resume.

Quando a eleição acontecer o cenário político não será o mesmo da época da mudança do estatuto. Dos 141 prefeitos, somente 31 se reelegeram. O fato de se criar uma ferramenta para o enfrentamento é visto nos meios políticos como algo desafiador que poderá levar o partido do governador e seus dois maiores aliados, o PSD e o PSB a se unirem em torno de um nome para enfrentar Neurilan. Os tucanos conquistaram 39 prefeituras, o PSD 23 e o PSB 15. Juntos somam 77 prefeitos. “Não temo essa possibilidade (da resistência governista), pois nossa eleição é suprapartidária, sua essência é municipalista, e além do mais, 90% dos eleitos e reeleitos apoiam minha candidatura”, analisa” o candidato à reeleição.

Neurilan não desconversa sobre enfrentamentos e o vê como necessário, tanto em Mato Grosso como em Brasília. Cita que a recente repatriação de ativos, que contemplará os municípios é uma luta de sua entidade. “A AMM recebe aprovação dos meus colegas por seu desempenho proativo nos últimos anos. Hoje, recebi a visita do deputado estadual e prefeito eleito de Rondonópolis, Zé Carlos do Pátio (SD), que veio hipotecar apoio à minha candidatura”, revela.

Muito além da função de presidente da AMM seu próximo presidente terá importante papel político, pois estará à sua frente quando das eleições gerais em 2018. Esse estratégico cargo certamente terá peso diferenciado na esfera política. Se o eleito for Neurilan, o grupo de Taques poderá ficar sob fogo cerrado. Se o vencedor for prefeito ligado ao governador a situação inverte.

Por enquanto, candidato único, Neurilan avança nas costuras políticas junto aos atuais e os futuros prefeitos. Os tucanos correligionários de Taques ainda não se pronunciaram, mas sabem da capacidade de articulação do presidente que busca o segundo mandato. Em 18 de dezembro de 2014 ele chegou ao cargo com 59 votos após derrotar o candidato governista e prefeito de Lucas do Rio Verde, Otaviano Pivetta (à época PDT e agora PSB), que recebeu 30 votos, e a candidatura independente de Adair José Moreira (PMDB), de Alto Paraguai, que cravou 32 votos.

  Oferecimento
  Redes Sociais
  Oferecimento
Arara
ARARA
  Opine
Nenhuma enquete cadastrada.
  Vídeos
     
 
 
NOTÍCIAS

POLÍCIA
DESTAQUES
POLÍTICA
ESPORTES
VARIEDADES
OPINIÃO
VÍDEOS
EXPEDIENTE

ANUNCIE
CONTATO
FRANQUIA
QUEM SOMOS
NA MIRA DA LEI

TODOS OS DIREITOS
RESERVADOS
2009 - 2014